Estive Dirigindo #11

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

Estive dirigindo esta semana por um dos principais corredores de acesso entre a Zona Oeste e a Zona Centro-Sul de Manaus.

O percurso começou pela parte que faltou da Av. Cel. Teixeira no episódio #07, servindo como acesso à Av. do São Jorge, logradouro composto, em sua absoluta maioria, por conjuntos habitacionais, batalhões e outros departamentos das Forças Armadas.

Logo no começo da Av. do São Jorge, passado o cruzamento onde terminou o episódio piloto, destacamos o Zoológico CIGS, o maior da cidade, com animais apreendidos que não apresentavam mais capacidade se readaptar à natureza e mantido pelo Exército. Vale a visita.

Vários batalhões depois, chegamos à parte predominantemente civil do bairro do São Jorge, já começando a descer a ladeira em direção ao Igarapé da Cachoeira Grande. Se subíssemos pelo igarapé (à esquerda), há poucos metros da pista, existia uma estação de captação e bombeamento de água, construída em 1888, com 105 metros de comprimento, e de onde vinha a totalidade da água encanada da cidade começo do século.

Hoje em dia, a condição do Igarapé da Cachoeira Grande, que tem grande parque de suas margens ocupadas irregularmente e recebe a água do Igarapé do Mindu e todos os seus afluentes, não viabilizam mais o consumo. A estação está abandonada e em ruínas desde os anos 1930, quando foi desativada, por ter sido substituída pela captação da água na Ponta do Ismael.


Exibir trajeto do episódio Estive Dirigindo #11 em um mapa maior

Passado esse drops de TM História (estão com saudade da série? 🙂 ), chegamos no ponto em que terminou o episódio #08 (do Complexo Gilberto Mestrinho até a Constantino Nery) e, após cruzarmos a Av. Constantino Nery, entramos na Rua Pará, que corta todo o Vieiralves, uma área que ainda que seja definida pelo Plano Diretor de Manaus como estritamente residencial, é uma das maiores concentrações comerciais da região, com muitas lojas e plazas, com muito requinte e sofisticação. #sqn

No fim da Rua Pará, entramos à esquerda na Rua Maceió, já percorrida em sentido inverso e de noite no episódio #05, passamos ao lado do Parque Municipal do Idoso, obra do prefeito do “Social Levado a Sério” Alfredo Nascimento, e a “Nova” Maceió, obra de Serafim Corrêa, ainda não devidamente registrada no Google Maps, motivo pelo qual o mapa não termina, ao contrário do vídeo, no complexo viário Complexo Miguel Arraes, aquele que passamos por baixo no episódio piloto, e por alto no episódio #06.

Gostaram do passeio?

Estive Dirigindo #08

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

Estive dirigindo do Complexo Viário Gilberto Mestrinho até a Av. Constantino Nery e o trajeto foi um dos principais corredores Leste-Oeste da cidade: Av. André Araújo, Rua Salvador e Rua João Valério. Só que durante dia de Domingo, pra economizar memória da câmera.

Logo no começo, um probleminha que se percebe ao entrar na Av. André Araújo é que tanto a alça inferior que vem da Av. Rodrigo Otávio quanto o acesso de quem vem da rotatória têm duas faixas cada, e se você está lendo até aqui deve saber que 2 + 2 costumam ser 4 (a não ser que estejamos na Oceania), enquanto a Av. André Araújo tem duas faixas ao todo para receber essa demanda, o que resulta em singelos embates às 6 da tarde de uma Sexta-feira, ou a qualquer momento na nossa programação.


Exibir trajeto do episódio Estive Dirigindo #08 em um mapa maior

Mais à frente tem a saída da Rua Paulo IV, uma das principais vias de acesso e saída do bairro de Petrópolis, já percorrida no Estive Dirigindo #03. Achegando à Bola da SEFAZ, com o trânsito tranquilíssimo, comparado ao que acontece por ali durante o fim de semana, cruzamos a Av. Jor. Umberto Calderaro Filho, antiga Av. Paraíba, onde segundo a Lei Municipal 1.166/2007 futuramente haverá um Viaduto Tancredo Neves, conf. Claudemir, apud. Trânsito Manaus.

Daí vem os cruzamentos com a Av. Mário Ypiranga Monteiro, antiga Av. Recife, parcialmente apresentada no Estive Dirigindo #06 e Rua Maceió, totalmente percorrida no episódio #05 da referida série. Então entramos na Rua João Valério, passando ao lado do QG secreto do Trânsito Manaus, e cortando o Vieralves, o conjunto residencial (segundo a delimitação da prefeitura) com a maior concentração de comércio que eu já vi. E pra encerrar, cruzamos a Av. Djalma Batista e chegamos ao destino.

Gostaram do passeio?

Estive Dirigindo #05

Estive dirigindo pela “nova” e “velha” Rua Maceió e pela Rua Major Gabriel durante a noite. Essa via tem a vantagem de seguir da Darcy Vargas diretamente até o Centro, ao contrário da Av. Mário Ypiranga Monteiro (antiga Recife) que apesar de mais larga, acaba dependendo da Major Gabriel para finalizar o trajeto para a região mais antiga da cidade.

Logo no começo nos deparamos com um redutor de velocidade (ou será um majorador orçamentário?) com o intuito de alertar os motoristas para a faixa de pedestres logo a diante. A intenção seria nobre não fosse a inclinação da via em ambos os sentidos que em razão das pétreas leis da Física, tende a fazer os veículos tomarem uma velocidade maior. A boa notícia é que com essa verba extra será possível construir uma passarela com rampa e cobertura da chuva no lugar, não é?

Ladeira acima, estamos na chamada Nova Maceió, construída durante a prefeitura de Serafim Corrêa, que a interligou a Velha Maceió com as Avenidas Mário Ypiranga, Darcy Vargas e Efigênio Sales, com o Complexo Viário Miguel Arraes. Ela passa ao lado do Parque Municipal do Idoso, obra daquele que levava o social a sério, Alfredo Nascimento.


Exibir trajeto do episódio Estive Dirigindo #05 em um mapa maior

Infelizmente não pude adicionar o roteiro da parte nova no Google Maps porque mesmo após mais de 5 anos da inauguração do trecho, a região ainda não foi atualizada. Indo em frente, após a rotatória, chegamos à Velha Maceió, que nos leva através do bairro de Nossa Senhora das Graças, até o Cemitério. Passamos ao lado do Reservatório do Mocó também, obra do Governador Eduardo Ribeiro.

Cruzamos a Av. Álvaro Botelho Maia, mais conhecida como Boulevard, e o logradouro automágicamente se transforma em Rua Major Gabriel, descendo através da Praça 14 de Janeiro e suas 14ˆ29 vendas e oficinas de carros. Passamos então ao lado de um dos campi da Universidade Estadual do Amazonas e de um outro grande centro universitário do norte.

Após o cruzamento com a Av. Ramos Ferreira, onde terminou o 3º episódio do Estive Dirigindo, passamos a margear as obras do PROSAMIN e do Parque Estadual Jefferson Péres até chegarmos à Av. Sete de Setembro e terminarmos o passeio em frente à Secretaria Estadual de Cultura e do Palácio Rio Negro, oportuna aquisição do governador, sempre ele, Eduardo Ribeiro.

Categorias

Passado

  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
  • 2008
  • 2007
Seguir

Receba atualizações do blog na sua caixa de entrada.

Basta inserir seu email