Usando Apple Mapas em Manaus

Originalmente publicado no blog do Trânsito Manaus no Portal D24AM.

Como parte da estratégia de depender cada vez menos de soluções do Google na área de mapas a Apple lançou, junto com a sexta versão de seu sistema operacional móvel, em Setembro de 2012, um aplicativo próprio para este fim.

Mapas no iOS – o Bing é webapp

Usando informações de GPS de parceiras como a Tom Tom, de soluções de código aberto como o Open Street Maps, além do know-how de empresas de mapeamento de relevo em 3D como a C3 Technologies (adquirida por US$ 240 milhões) dentre outras, a empresa da Maçã montou um banco de dados próprio, com mapas vetorizados, imagens de satélite por vezes mais recentes que a concorrência e construções tridimensionais de partes de algumas das maiores cidades do mundo (Flyover), tais como Nova York e São Francisco, nos EUA.

São Francisco e Nova York em modo Flyover no Apple Mapas

O curto tempo de desenvolvimento dessa ferramenta, entretanto, causou diversas críticas por parte de especialistas e usuários, que viram-se frustrados com resultados imprecisos em diversas situações. Recentemente algumas pessoas correram risco de vida ao utilizar o aplicativo para buscar o caminho para uma cidade na Austrália.

Neste último caso, a Apple se justificou informando que utilizou as coordenadas cedidas pela própria administração da região e, após a notificação da polícia local, corrigiu o problema. As notícias sobre o incidente causado pela empresa de Cupertino foram tantas que soterraram outras como a de que mais um departamento de polícia australiano notificou o Google na mesma semana por problemas semelhantes.

O mapa da Apple de fato possui muitas falhas, o que é de se esperar de uma solução em desenvolvimento há apenas um ano comparada às opções do Google ou da Microsoft (Bing Mapas), que possuem pelo menos 5 anos de constantes aperfeiçoamentos. Exemplos dessas falhas são diversas praças em Manaus identificadas pelo mapa nativo do iOS como parques.

Parque São Sebastião?

Dezenas de estabelecimentos comerciais estão posicionados em locais incorretos ou sequer existem. A última vez que a Praça da Matriz teve um posto de gasolina foi há mais de 50 anos.

TM História: Bomba de combustível ao lado da Praça da Matriz reaparece 60 anos no futuro em mapa da Apple.

E o bairro do Japiim, coitado, perdeu um i.

Japim: pressa?

Mas apesar de todos esses erros que afetam negativamente a experiência de usuário, o mapa da Apple também acerta em pontos que a concorrência ainda está deixando a desejar. Vamos apresentar 3 destes lugares em um comparativo realizado com 5 dos principais mapas para iOS. Lembrando que esta não é uma análise técnica, sujeita a ser totalmente diferente da sua experiência pessoal, estando sujeita também a ser comprometida por eventuais atualizações dos serviços. E que o Waze não possui imagens de satélite, em compensação é rapidamente atualizado pela comunidade.

Ponte Rio Negro

A ponte sobre o Rio Negro foi inaugurada em 24 de Outubro de 2011, ligando Manaus a Iranduba, Manacapuru e Novo Airão sem a necessidade de balsas. A exibição em cada um dos mapas ficou assim:

  • Apple Mapascom imagem e vetor.
  • Google Mapscom imagem parcial e sem vetor.
  • Here Mapssem imagem nem vetor.
  • Bing Mapscom imagem e vetor.
  • Wazecom vetor.

Ponte Rio Negro

Avenida José Lindoso (Avenida das Torres)

Inaugurada em 29 de Junho de 2010, a Avenida José Lindoso, conhecida popularmente como Avenida das Torres, interliga o Complexo Viário Gilberto Mestrinho à Cidade Nova de forma rápida e com poucos cruzamentos. É uma ótima alternativa de acesso à Zona Norte da cidade, desde que apareça no GPS daqueles que nunca trafegaram naquela região. A exibição em cada um dos mapas ficou assim:

  • Apple Mapascom imagem e vetor.
  • Google Mapscom imagem e sem vetor.
  • Here Mapssem imagem e com vetor.
  • Bing Mapscom imagem e vetor.
  • Wazecom vetor.

Avenida José Lindoso

Manauara Shopping

O maior shopping do norte do Brasil foi inaugurado em 7 de Abril de 2009 e a razão pela qual foi escolhido para compor esta lista é unicamente para mostrar que quem prefere usar os mapas da Apple pode até estar bem orientado, comparado a quem usar o Here Maps, já que as imagens deste mapa não mostram sequer um, das dezenas de buritizeiros destruídos pela obra do estabelecimento, derrubado (já estava desmatado, na verdade, mas, mesmo assim, a obra ainda não havia começado quando foi feita a última foto). O banco de imagens de satélite parece ser o mesmo que o Bing utilizava até pouco tempo atrás, mas que este agora já tratou de atualizar. A exibição em cada um dos mapas ficou assim:

  • Apple Mapas – com imagem e vetor das ruas ao redor.
  • Google Maps – com imagem e sem vetor das ruas ao redor.
  • Here Maps – sem imagem nem vetor das ruas ao redor.
  • Bing Maps – com imagem e sem vetor das ruas ao redor.
  • Waze – com vetor das ruas ao redor, inclusive com a nova nomenclatura.

Manauara

Especuladas para 2013 a função de instruções por voz (Siri) no Apple Mapas e as imagens de Manaus no Google Street View do recém lançado Google Maps para iOS prometem acirrar ainda mais a concorrência entre aplicativos de mapas na plataforma da Maçã. O mapa social Waze, apesar de não contar com imagens de satélite, possui função de instruções por voz e informações geralmente mais atualizadas que os demais, graças às contribuições dos próprios usuários.

O que você tem achado das soluções de mapas para plataformas móveis em Manaus? Como é a sua experiência com mapas em outras plataformas? Já faz parte do grupo do Trânsito Manaus no Waze? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe mais dicas com a gente.

Patentes

Seguindo a tradição de constantes batalhas judiciais em vez de batalhas apresentando produtos inovadores, em 2013 a Apple processa a Samsung pelo uso do nome Galaxy S-IV, claramente plagiado do iPhone 4S. A Samsung argumenta perante o tribunal que as patentes do numeral 4 e da letra S são essenciais e não discriminatórias e que a Apple não tem direito sobre elas.

Apple contra-argumenta que desde o lançamento do Apple II-GS, de 1986, ela tem patentes registradas de nomes de produtos com diferenciação de gerações por números e letras. A Lenovo ingressa na ação apoiando a Samsung, argumentando que sempre usou nomes feios cheios de letras e números, desde a fundação da IBM em 1911.

A Maçã perde a ação e retira letras e números como forma de diferenciação de gerações dos produtos. Passa a chamar de “novo” (insira nome de iProduct aqui).

Em 2014 a Apple processa a Samsung pelo uso do nome New Galaxy, claramente plagiado do New iPhone, lançado no 2º semestre de 2012. A Samsung argumenta que as patentes do que é novo são essenciais e não discriminatórias e que a Apple não tem direito sobre elas. Apple contra-argumenta que tudo o que é novo já foi previsto e patenteado por ela, conforme documentos assinados por Steve Jobs em 1997.

Todas as principais empresas de tecnologia se aliam à Samsung e derrotam a Apple nos tribunais. Apple entra com recurso.

Antes mesmo da apreciação do recurso, Apple compra Google e encerra desenvolvimento do Android, golpeando mortalmente a plataforma que Jobs ameaçou destruir com uma guerra termonuclear. Fabricantes de celular, temendo a dominância da Apple no setor, pedem socorro à Microsoft.

Apple perde o recurso e é condenada a pagar US$ 50 bi ao consórcio de empresas encabeçadas pela Samsung que a processou.

Em 2015 a Microsoft, apoiada pelas fabricantes de celulares, entra com ação contra a Apple acusando-a de monopólio. Apple argumenta que patentes de monopólio, datadas da época do lançamento do Windows 95, pertencem à Microsoft. Microsoft contra-argumenta com gráficos de market share de computadores de 1984, época em que ela plagiou o System do Macintosh, mostrando que a Apple criou monopólio muito antes.

Microsoft vence ação contra a Apple e financia a retorno do desenvolvimento do Android, agora apenas um repositório de funções a serem implementadas no futuro Windows 9.

Em 2016…

Apple vs. Samsung

Patentes. Sendo usadas por idiotas para atrapalhar a inovação desde Thomas Edison.

**********

Atualização em 11/08/2012.

No mesmo dia em que escrevi os tweets que deram origem ao texto acima, o vídeo abaixo, gravado em Junho, foi publicado no canal do TED no YouTube. A mesma mensagem, remixada. Vejam.

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

Steve

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

Texto original da campanha “Think Different“, preparado pela Chiat/Day para a Apple Computer, Inc., quando do retorno de Steve Jobs, em 1997.

Here’s to the crazy ones. The misfits. The rebels. The troublemakers. The round pegs in the square holes.

The ones who see things differently. They’re not fond of rules. And they have no respect for the status quo. You can quote them, disagree with them, glorify or vilify them.

About the only thing you can’t do is ignore them. Because they change things. They invent. They imagine. They heal. They explore. They create. They inspire. They push the human race forward.

Maybe they have to be crazy.

How else can you stare at an empty canvas and see a work of art? Or sit in silence and hear a song that’s never been written? Or gaze at a red planet and see a laboratory on wheels?

We make tools for these kinds of people.

While some see them as the crazy ones, we see genius. Because the people who are crazy enough to think they can change the world, are the ones who do.

Cada pessoa que tem a boa fortuna de criar uma única ideia, um produto, uma função, um serviço, uma ação, uma única coisa que seja relevante, que mude, melhore, transforme a vida das outras pessoas, poderia então descansar e sentir-se realizada, contemplando satisfeita a sua obra.

Mas quando uma pessoa, em vez de parar para contemplar o que fez, segue olhando para a frente, sempre em uma busca incessante de continuar criando, aperfeiçoando, reinventando, ela começa a mover não apenas a si mesma, mas a humanidade inteira para a frente.

Os pixels de cada tela de cada monitor de cada computador pessoal do mundo que mostrem uma interface gráfica de interação, cada clique de mouse, cada som emitido por um tocador de mp3, cada toque em uma tela sensível de celular ou tablet, cada sorriso ou emoção causados por um desenho da Pixar… Todas estas coisas só chegaram até nós da forma como existem hoje porque um homem vislumbrou nelas ferramentas para impulsionar a criatividade humana.

Esse homem idealizou todas as ferramentas que eu uso no meu dia a dia para criar, estudar e trabalhar. É como se ele estivesse sempre ao meu lado, dizendo “invente!”, “imagine!”, “resolva!”, “explore!”, “crie!”, “inspire!”, “pense diferente!”. E ele inclusive compartilhava comigo o mesmo nome.

No dia 5 de Outubro de 2011, esse homem deixou o plano físico para viver na lembrança trazida por suas criações que cada um de nós tem consigo. E ao morrer, lembra-nos da mais poderosa lição que nos deu em vida: a de que a morte é um agente da vida, pois dá espaço para o novo.

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

.Texto do discurso “You’ve got to find what you love” na íntegra. (tradução)

Jornal do Brasil

Por conta da cobertura do evento “Let’s Rock” pelo Google Discovery, o Renê Fraga indicou meu contato para a jornalista Joana Duarte que conversou comigo sobre os lançamentos de ontem. Reproduzo a matéria sobre os lançamentos na íntegra.

**********

Novo iPod gira tela e inventa playlists

Aparelhos mais finos e arredondados chegam ao Brasil

Por Joana Duarte

Aparentando boa saúde, Steve Jobs, chefe executivo da Apple, apresentou ontem nos Estados Unidos a quarta geração dos iPods Nano, Touch e Classic, que dispõem de design mais arrojado (com curvas nas extremidades) e vêm equipados com tecnologia de acelerômetro, permitindo girar o aparelho para visualizar fotos, vídeos e capas de álbuns em telas widescreen, no estilo do iPhone.

Os iPods Nano, os mais finos já lançados no mercado, têm nova carcaça de alumínio e começarão a ser vendidos no Brasil em oito cores fosforescentes até o fim do mês que vem. O analista Gene Munster, da Piper Jaffray, explicou que a Apple renova seus iPods anualmente, sempre em setembro, para tirar proveito das festas de fim de ano.

Antecipando a divulgação de Jobs realizada ontem, a Microsoft também lançou, na segunda-feira, a terceira atualização de seu mp3 Zune, para competir com o iPod. Mas a empresa ainda não tem previsão da chegada do produto ao Brasil, segundo um porta-voz da Microsoft.

Durante sua palestra, Jobs chegou a mencionar o novo Zune, mas assegurou seus ouvintes que o aparelho não ameaçará de forma alguma o domínio da Apple no mercado de mp3 players. Atualmente, contou o executivo, a Apple encobre 73% do mercado, comparado a meros 2% da Microsoft.

Apesar de aparentar uma redução no tamanho da tela, Fábio Ribeiro, engenheiro de sistema da Apple Brasil, garante que, pela capacidade de girar, a tela ficou de fato maior em todos os modelos. O que diminuiu foi o preço. Os Nanos agora virão em tamanhos de 8GB e 16GB em vez de 4 e 8 GB, e custarão R$ 549 e R$ 699, respectivamente. O Nano de 4 GB também custava R$ 549, e será reduzido enquanto seu estoque durar. A Apple não continuará a produzir velhas versões.

Outras novidades do mp3 da Apple incluem a incorporação do recurso “genius”, que seleciona músicas semelhantes do seu iPod e as insere em uma nova playlist, automaticamente. Além disso, o iPod é sensível ao toque, ou, mais especificamente, ao chocalho. Ao agitá-lo nas mãos, o aparelho tocará músicas em ordem aleatória.

Os novos visuais do iPod vêm incorporando cada vez mais características do versátil iPhone, que já contém mp3. Mesmo assim, segundo o analista Munster, ainda há espaço no mercado para a coexistência de ambos. A canibalização do iPod pelo iPhone ainda não foi completa, apesar de já haver pessoas que preferiram investir no iPhone em vez de comprar o mp3 player.

Como apontou o blogueiro e “grande fã” da tecnologia dos produtos Apple, Steven Castro Conte, de Manaus, apesar do mercado de aparelhos portáteis indicar cada vez mais uma tendência para convergência extrema de funções agregadas em um único aparelho, por enquanto ainda há espaço para que ambos gêneros aproveitem seus mercados cativos.

– Porém, a médio e longo prazo soluções mais completas como o iPhone se tornarão um padrão de dispositivo portátil, aliando entretenimento, produtividade e, claro, portabilidade – avalia Conte.

Cento e sessenta milhões de iPods já foram vendidos pelo mundo e a legião de adeptos, por enquanto, só tem aumentado.

Mesmo assim, Roberto Cassano, diretor de Estratégia e Mídias Sociais da Agência Frog, não se abala:

– O iPod não é tão superior assim aos concorrentes. É a aura da Apple que garante a supremacia. Enquanto os boatos sobre a morte de Jobs forem apenas “fortemente exageradas”, não há o que temer para a Apple – ironiza.

Postado originalmente na edição eletrônica do Jornal do Brasil de 10/09/2008.

Jornal do Brasil 10/09/2008

Let’s Rock

Ao Vivo: Apple Let's Rock Keynote

Daqui a pouco, à 1:00pm, horário de Manaus, começa no Yerba Buena Center em São Francisco, o evento da Apple, onde serão lançados novos modelos de iPod e talvez one more thing.

Vou tentar escrever algo útil no Google Discovery. Vocês podem conferir por este link.

Desejem-me sorte. E que o Campo de Distorção da Realidade esteja com vocês.

Namaste.

Problemas de Vista

No final de semana anterior ao passado tive a brilhante idéia de instalar o Windows Vista no meu laptop, visto que o Vista sistema já possui um ano de seu lançamento e eu acreditava que dadas as suas atualizações posteriores, ele estaria suficientemente estável e pronto para o uso contidiano.

Qual não foi minha surpresa, após 4 dias de uso, procurando drivers, instalando e configurando programas, procurando ajustar e “afinar” o sistema de forma que pudesse funcionar satisfatoriamente, eu chegar a conclusão de que estava enganado.

Windows Vista

Nunca perdi tanto tempo infrutífero arrumando um PC. Hoje a tarde desisti de tudo isso, formatei meu laptop e reinstalei o Windows XP Media Center, com drivers funcionando corretamente e tudo voltando ao normal.

A conversa que segue agora, mostra como, aos poucos, involutariamente o público geral está atentando para o fato de que soluções produzidas por outras empresas (como a Apple, Canonical etc), acabam por se tornarem mais úteis e agradáveis de se utilizar.

 15:58:47 Sandro: lembra-se do Flyakite? vc tem algum parecido, mas que deixe o pc com cara de vista?
 16:00:39 Steven: não. eu estou formatando meu laptop pro xp nesse momento
 16:01:04 Sandro: PQ?
 16:01:18 Steven: quando o Vista estiver pronto eu instalo de novo
 16:01:18 Sandro: não gostou no Novo Janelas Vista? pronto como assim Dr. Jobs?
 16:02:35 Steven: pronto, acabado, estável, seguro, funcional, intuitivo
 16:02:38 Sandro: ei, que tipo de pacotes se instala no Ubuntu e no Kubuntu, vc sabe?
 16:03:11 Steven: não
 16:03:23 Sandro: deb, rpm ou tgz?
 16:03:23 Steven: eu não sei de nada sobre Ubuntu, só sei botar o cdzinho e usar
 16:04:37 Sandro: pra te falar a verdade, eu não fiquei tão empolgado assim com o vista
 16:04:38 Sandro: pra mim é só mais um Windows, não tem tanta surpresa assim
 16:04:53 Steven: ah, tem sim
 16:05:09 Sandro: ???
 16:05:11 Steven: tenta instalar um programa, rodar um executável, mexer na pasta do sistema ou dos programas...
 16:06:23 Steven: vc será alvejado por centenas de milhares de janelas de confirmação, prontas para impedir que vc faça qualquer coisa, algo que só um sistema que não deveria ser usado por ninguém deveria ter
 16:06:32 Steven: logo o vista não deveria ser usado por ninguém
 16:06:53 Steven: quando vc está realizando um destes procedimentos vc é constantemente surpreendido por estas janelas. é lindo sabe?
 16:07:21 Sandro: rsrsrsrs
 16:07:33 Sandro: Hi, I'm a Mac. And I'm a PC.

Hi, I’m a Mac. And I’m a PC.

Considerações sobre o MacBook Air

Antes que o Nando Kanarski espalhe minha frase poraí, é bom que fique aqui registrado, só para constar.

23:25:44 Steven: poxa.. nunca imaginei que eu pudesse ter meu trabalho reconhecido dessa maneira...
23:25:53 Steven: gostaria de agradecer aos meus amigos da Raleh que tiveram a ideia do evento
23:26:19 Steven: gostaria de agradecer Chad Hurley e o Steve Chen, criadores do YouTube
23:26:21 Steven: ao Sergey Brin e o Larry Page, criadores do Google e atuais donos do YouTube
23:26:21 Nando K.: joga isso na raleh
23:26:22 Nando K.: aheoaheioae
23:26:28 Steven: ao Undergoogle, ao Google Discovery também : P
23:27:01 Steven: à Sony, que fez minha câmera
23:27:02 Nando K.: e ao Renato
23:28:08 Steven: à Apple, que fez meu iPod que foi figurante no filme, fez meu iMac com seu lindo flurry, e que fez o MacBook Air... um laptop que não serve pra nada mas que eu quero mesmo assim!

MacBook Air

Macworld 2008: Steve Jobs keynote em Português (Ao Vivo!)

There is something in the air…

Recebi um convite em cima da hora do Renê Fraga, do Google Discovery, para cobrir a Macword.

Vocês podem conferir na íntegra o liveblogging do lançamento do Macbook Air, clicando aqui.

E quem está conhecendo o blog vindo do link de lá, sejam todos bem vindos, e sintam-se a vontade para assinar o feed. Obrigado.

Categorias

Passado

  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
  • 2008
  • 2007
Seguir

Receba atualizações do blog na sua caixa de entrada.

Basta inserir seu email