Evandro Carreira

Morreu essa noite, aos 88 anos, o advogado e eterno “Senador” Evandro das Neves Carreira, meu tio-avô, que já nos anos 1970 levantava a bandeira da proteção do meio ambiente e do progresso sustentável da Amazônia.

Evandro das Neves Carreira - 24/08/1927 - 22/12/2015

Nas imagens um registro da época de sua atuação no Senado e uma foto recente naquele que era um de seus lugares preferidos, o Café do Pina.
Evandro das Neves Carreira – 24/08/1927 – 22/12/2015

Deixa 10 ex-esposas, filhos, netos e bisnetos, dezenas de livros e centenas de discursos.

E um bordão para o folclore político Amazonense:

“Teu voto é uma bomba (para acabar com a corruptocracia)!”

A seguir estão, dentre diversas outras, as homenagens de Arthur Virgílio Neto e Gaitano Antonaccio.

Coca-Cola como Ferramenta

Ontem à tarde fiquei no prego de bateria, por sorte, num posto de gasolina onde dá pra esperar a ajuda com alguma dignidade e sem atrapalhar ninguém (ao contrário do meio da rua).

Tentei ligar pra loja onde comprei a bateria pensando em contratar um serviço de delivery, mas fui informado de que eles não contavam com isso, e que eu tinha que me virar pra ir lá buscar. Mas essa parte não vem ao caso. Consegui chamar o mecânico.

Quando o mecânico chegou, pra fazer a substituição da bateria, entrou na loja de conveniência e comprou uma Coca-Cola de 250ml, daquelas de garrafinha plástica. Voltou pro carro e despejou dois terços da garrafa nos contatos pra desoxidá-los. Eletrólise! This is Science, bitch!

Tã-nã-nã-nã-nã...

Tã-nã-nã-nã-nã…

Terminou a substituição e fez outras checagens pra ver se estava tudo certo. E bebeu o último terço da ferramenta, ou melhor, da garrafa, porque ninguém (além do Tony Stark, que tecnicamente é de titânio) é de ferro.

E mesmo que fosse, com um anticorrosivo desses, nem oxidaria.

#VejaOLadoCocaColaDaVida

É incrível viver no Futuro

Ou “O Futuro Chegou”.

McFly chega ao Futuro

(Se os meus cálculos estiverem corretos, este post será atualizado ainda essa semana com fotos ilustrativas que ~não tive tempo~ de organizar)

Hoje, às 04:12pm – horário de Hill Valley, Califórnia -, Doutor Brown, Marty McFly e sua namorada chegarão no que pra eles parecerá um futuro distante para quem vem de 1985, o moderno e colorido ano de 2015. Pelo menos no imaginário de crianças e adultos que certamente voltarão a ser crianças pelo menos por um instante. Antes de continuar, um breve resumo sobre os três filmes (existe spoiler de 30 anos?) e o trailer de cada um.

A Trilogia

Na primeira parte, Marty viaja acidentalmente para 1955, e acaba atrapalhando o encontro de seus pais, o que afeta a sua própria existência.

Trailer, Parte I

Na segunda parte, Doutor Brown leva Marty até o, então, longínquo ano de 2015, para que ele, se passando pelo filho, evite que esse tome uma decisão errada. Muita confusão acontece, afinal, passava na Sessão da Tarde, e os dois acabam indo parar mais longe ainda.

Trailer, Parte II

Na terceira e última parte, Doc e Marty se encontram no Velho Oeste americano para sua última aventura através do tempo. Uma curiosidade aqui é que De Volta Para o Futuro Parte III foi um dos primeiros filmes a ter o trailer lançado já no final do filme anterior, já que o II e o III foram gravados simultaneamente.

Trailer Parte III, no final da Parte II

Trailer Parte III, versão descritiva para o cinema

Feitos os resumos e apresentações dos filmes, retornamos.

Passado

A trilogia De Volta Para o Futuro é a minha preferida desde as primeiras vezes que assisti em alguma Sessão da Tarde, sentado sem camisa na cama dos meus pais depois do almoço. Não consigo lembrar se vi a parte I ou II primeiro, mas independente disso, a possibilidade de viajar no tempo me pegou em cheio. Imaginar ser possível conhecer locais e momentos históricos, além de ver o que aconteceria no futuro não apenas de si mesmo, mas da própria humanidade é algo que com certeza fascina a muitos.

Suspeitando que talvez a Ponte sobre o Rio Negro não fosse ficar pronta até 2015

E por isso mesmo eu sempre parava para assistir os filmes quando passavam na televisão. Eram tempos sem DVDs, Netflix e Locadora do Paulo Coelho, além do que alugar filmes não era algo tão comum lá em casa. E nas minhas brincadeiras tinha um carrinho azul da HotWheels, que em nada parecia o estiloso carro de aço escovado, apenas pelo fato de ele ter umas peças saindo do capô que lembravam os ajustes feitos pelo Doc. Brown de 1955 para fazer o segundo McFly que veio de 1985 viajar para 1885.

Visitando uma loja de brinquedos em 2011

Mais pra frente fui no Back to the Future – The Ride, um brinquedo da Universal Studios, onde você podia entrar numa réplica de DeLorean e viajar no tempo atrás do Biff, o vilão da história. Do lado de fora era possível tirar fotos com um DeLorean e uma locomotiva originais do flime, além de eventualmente encontrar um sósia do Doutor Brown inventando maluquices. Infelizmente o Ride foi fechado em Março de 2007, para dar lugar a uma atração dos Simpsons. Ainda que seja necessário atualizar os parques com atrações mais modernas, eu acho que poderiam ter esperado pelo menos até esse ano antes de fazer a mudança. É possível ver o vídeo da atração abaixo como era o passeio.

BTTF, The Ride

Ainda existem objetos e cenários do filme que podem ser visitados, como os carros que ainda estão nos parques da Universal, a praça da torre do relógio está na cidade cenográfica da Universal da Califórnia, o Puente Hills Mall na City of Industry (no filme caracterizado como Twin Pines/Lone Pine Mall), o ginásio de Whittier (no filme caracterizado como o ginásio de Hill Valley), o The Plaza Hotel and Casino em Las Vegas (no filme caracterizado como o Casino do Biff no 1985 Alternativo), o túnel do Observatório Griffith em Los Angeles, onde ocorre a perseguição no final do segundo filme, o parque Monument Valley, em Utah, e a vila Chinese Camp, no caminho para o Parque Yosemite, na Califórnia, ambos presentes no terceiro filme.

E é interessante que o De Volta Para o Futuro parece muito mais grandioso e ~épico~ do que ele realmente é graças à fantástica trilha de Alan Silvestri (que também fez Forest Gump – que toda vez que eu ouço assistindo o filme choro como no final de Toy Story 3 – e Vingadores), que criou uma assinatura sonora inconfundível para o filme: Pam-pam-pam… pam-ram-ram-pam-pam-pam… pam-ram-ram-pam-pam-pam-pam… pam… pam-ram-ram… A música tocou na sua cabeça, que eu sei.

Presente

Chegamos em 21 de Outubro de 2015 onde, no filme, os CDs e Videodiscos são coisas do passado que as pessoas estão se desfazendo, há uma aura de nostalgia em torno dos anos 80, as roupas e acessórios são inteligentes e se conectam entre si, existem drones capazes de voar distâncias razoáveis fazendo imagens de ângulos inéditos, é possível fazer pagamentos e abrir portas apenas com o toque da impressão digital, as TVs são grandes, planas, têm comando de voz, com centenas de opções de entretenimento, existem óculos de realidade virtual que você pode usar pra se comunicar, assistir filmes e fazer ligações, Michael Jackson dá dicas de dieta na televisão, os carros voam e o fax é onipresente.

Michael Jackson infelizmente já partiu para Terra do Nunca, os carros que voam não pousam bem e o fax não é onipresente, mas pelo menos o conceito de hipercomunicação por trás da ideia do fax onipresente pode-se dizer que está nos smartphones que muitos carregam no bolso. E o skate voador, ah o skate voador… Será que existe alguma pessoa que nunca teve vontade de subir em um skate que flutue pelo menos uma vez na vida?

Vontade de dirigir um DeLorean pelo menos uma vez na vida não falta, de preferência, com capacitor de fluxo funcional

Fora isso ainda faltam as jaquetas e sapatos que se ajustam sozinhosNike, estou falando com você -, apesar de que eu tive um tênis da Reebok (Pump 2.0 Wrapshear) que usava um sistema de pequenas bolsas de ar para se firmar ao pé sem a necessidade de cadarços ainda em 2005~2006, que pra mim sempre foi o futuro dos calçados. Tem também os hidratadores de comidaBlack & Decker e Pizza Hut, por favor -, e os refrigerantes com vitamina e baixo teor de açúcarPepsi, você poderia ser maior que a Coca-Cola fazendo isso -, e hologramas de verdadea Microsoft está trabalhando no HoloLens que é o mais próximo que temos até agora -.

Em compensação, temos telas sensíveis ao toque, que permitiram a existência de smartphones, tablets, ereaders, smartwatches, além das lâmpadas, termômetros, portas e geladeiras conectadas resolvendo diversos problemas que nunca tivemos antes deles. Já vi até uma geladeira que misturava os ingredientes dos refrigerantes em tempo real, permitindo muito mais opções que uma wending machine convencional. E os carros não voam, mas já existem alguns que sabem dirigir sozinhos melhores que muitos humanos.

Futuro

O que podemos esperar do futuro? Por muitos anos o principal pedido de muitos era que houvesse mais um filme na trilogia. Cheguei a ler entrevistas em que os criadores da saga diziam que o Ride dos parques da Universal seria a continuação que as pessoas pediam. O fato é que com a doença de Michael J. Fox e o risco de um novo filme ou um reboot da série ser mais do mesmo acabaram enterrando de vez essa possibilidade, pelo menos enquanto o diretor Robert Zemeckis estiver vivo. E gente com vontade de mexer na história não falta.

Hoax: Fast to the Future

Acredito que mais do que tênis que fecham sozinhos, carros e skates voadores, o que todo mundo quer de fato é que a viagem no tempo em si. Conhecer mais da nossa história e vislumbrar o que a humanidade é capaz de fazer de bom (de ruim a gente já sabe até demais). Essa invenção infelizmente é mais difícil. Até agora o máximo que dá pra fazer é ir alguns milésimos de segundo pra frente. E pra trás é impossível (até agora).

O fato é que a partir de agora, o filme vai ficar cada dia mais datado. Alguns objetos e conceitos vão parecer cada dia mais antigos. O filme, os seus criadores, os atores, e os fãs vão todos envelhecer. E nos resta apenas sonhar e construir os nossos futuros e nossas histórias. Afinal…

“O futuro ainda não está escrito.”

Obrigado Marty e Doc. Brown pela aventura. Nos vemos no futuro. Ou no passado, talvez.

Pam-pam-pam-pam pam-pam-pam-pam… Pam-pam-pam-pam pam-pam-pam-pam…

The Future Is Now!

Segunda Pós: Primeiras Impressões

Formei em Direito no fim de 2011 e emendei uma especialização em Direito Público, Administrativo e Constitucional logo em seguida, aproveitando o desconto para egressos da instituição. Me enrolei no final e a pós que duraria um ano e meio acabou durando dois anos.

Passei um ano inteiro bestando, sem estudar muitas outras coisas além de Alemão. Talvez um pouco de finanças. Não recomendo ficar tanto tempo parado assim, a não ser que você já tenha alcançado o trabalho dos seus sonhos ou tenha algum projeto pessoal tão importante quanto. Esse ano resolvi fazer uma nova especialização, agora em Direito Penal e Processual Penal. Por que não um Mestrado? Porque sim. Você acha outras matérias mais legais ou detesta Direito? Beleza.

É meio estranho chegar lá e não conhecer mais quase ninguém. Na primeira pós teve uma galerinha que estudou comigo na graduação, que veio junto. Só teve um aluno na pós inteira até agora que eu conheço de vista e sequer lembro o nome. Mandei um oi, enquanto tentava lembrar o nome dele, sem sucesso.

Das matérias desse novo curso, consegui aproveitar 5, o que vai dar umas folgas estratégicas. Mas uma delas – Interpretação do Direito Constitucional – fiz questão de assistir, por causa do professor. Luiz Alberto David Araújo parece uma mistura de maestro e cientista, com sua icônica gravata borboleta. Uma espécie de Doctor Brown jurídico. Foi Procurador do Estado de São Paulo e Procurador da República, agora já aposentado. Aqui o currículo dele.

Great Kelsen!

Fui pesquisar e encontrei alguns vídeos de palestras dele na internet. Uma pequena sobre o Princípio Constitucional da Dignidade Humana e as Pessoas com Deficiência, sua principal área de estudo e atuação nos últimos anos, inclusive com livros publicados a respeito, e uma entrevista feita no fim do evento.

Palestra, parte 1, a partir do minuto 2m56s

Palestra, parte 2, do início até o minuto 2m21s

Entrevista, após a palestra dos vídeos acima

A seguir uma palestra realizada na FADITU, onde ele é professor-emérito, em que faz uma introdução aos princípios constitucionais, do minuto 2m20s até o  26m40s, muito semelhante à primeira aula do módulo, para na sequência tratar mais uma vez dos direitos das pessoas com necessidades especiais, com um final abrupto no minuto 29m51s (provavelmente uma falha na gravação), seguida de um momento de perguntas e respostas com os alunos e outros palestrantes.

Palestra na FADITU, sobre princípios constitucionais e direitos de pessoas com necessidades especiais

Gosto de aulas assim, com reflexão, casos práticos, menos decoreba, menos cursinhão para OAB e concursos. A segunda modalidade tem o seu valor, mas se for para a (pós-)graduação se transformar num cursinhão, melhor fechar e todos fazermos apenas preparatórios para as carreiras de interesse, mas divago.

Espero que essa nova pós seja tão proveitosa quanto foi a primeira, que eu arranje novamente colegas inteligentes para fazer os trabalhos em grupo, e que eu não perca o prazo de entrega do TCC (que vergonha).

Eu e a Bisa

Originalmente publicado no Instagram.

Clap clap clap.
– Vó, vim lhe ver!
– Entra! – Sem nem olhar pro portão baixo, fazendo um gesto com as mãos, enquanto se ajeita na cadeira de embalo – Quem é tu mesmo?
– Steven, filho da Sueli, neto do Zé Teixeira.
– Do Zé? O Zé é doido, aquele filho da p…
– Como a senhora tá?
– Tô bem. A gente vai levando né? Deus vai cuidando da gente. Ninguém vem me ver.
– Eu tô aqui pra lhe ver.
– Ah sim, quem é tu mesmo?
– Steven, filho da Sueli, neto do Zé Teixeira.
– Ah, do Zé… Ele nunca mais veio aqui. Quem cuida de mim é aquele meu neto ali. Ainda bem que tem alguém pra cuidar de mim. Avisa pra tua mãe que eu ainda tô viva tá?
– Tá bom.
– A Sueli teve quantos filhos?
– Só eu mesmo.
– Filho único é?
– É! … Cadê suas galinhas, vó?
– Me fizeram vender tudo! Agora só tem esse jabuti aí – apontando pro quintal –. Vou já matar ele pra fazer o jantar.
– A senhora lembra que hoje é seu aniversário?
– Hoje? É mesmo? – com um brilho no olhar e um sorriso no rosto –.
– É! Quantos anos a senhora tá fazendo?
– Ah, deve ser uns 80, 85.
– Não é 92 não?
– Não, não pode ser… Mas tu é filho de quem mesmo? …

Bisa

Como Proceder: Vencendo a Inflação

Inspirado numa extensa série de conselhos sumariamente ignorados pelo meu ex-estagiário Jon. Não me responsabilizo pelo seu saldo negativo.

Dizem que dinheiro não nasce em árvore. Mas dinheiro é feito de papel e papel é feito de madeira. Logo, dinheiro nasce em árvore sim. O problema é transformar a árvore em dinheiro.

A gente é tentado a gastar dinheiro com bobagem o tempo todo. Quem nunca comprou um Tic-Tac, um KinderOvo ou um saco de Fandangos na biqueira do caixa? Afinal, agora eu tenho o meu dinheiro e vou comprar Fandangos quando eu quiser. E é exatamente aí que o dinheiro escorre pelas mãos, mesmo sem se sentir…

Uma medida legal pra tentar controlar as finanças é tentar ter um controle dos gastos. Pode ser uma planilha, separando os valores por categoria (alimentação, transporte, educação etc) e por mês, pode ser um aplicativo de celular (gosto do MoneyBook, dica do Murilo). Com esse controle, com tudo anotado, inclusive o Fandangos, você vai saber com o que exatamente está gastando cada centavo. E assim terá uma ideia mais clara de onde poderia reduzir gastos para tentar fazer sobrar algum dinheiro no fim do mês.

Dinheiro não nasce em árvore, mas é feito de pape, que é feito de madeira. Logo, dinheiro nasce em árvore sim.

Eu acrescentaria ainda nesse tópico dois macetes importantes, ainda que quase utópicos: o primeiro é, sempre que possível, parcelar as coisas antes de comprar. Quase sempre é possível conseguir um preço melhor comprando à vista. Carro, casa, escritório/consultório é impossível, claro, mas muitas vezes do intermediário pra baixo é possível. Estude aí as possibilidades antes do próximo  parcelamento; o segundo é se livrar de evitar cartões de crédito, mas acho que eu sou a única pessoa que odeia precisar tê-los. Milhas? Prefiro o sistema métrico.

Poupança

Faça uma poupança. A poupança vem tendo um rendimento abaixo da inflação nos últimos anos, mas é o investimento mais simples e seguro que existe, se o presidente não for o Collor. Não tem incidência de Imposto de Renda (IR) e é amparado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) até 250 mil reais. Ou seja, se o banco em que você tiver a poupança quebrar, é possível recuperar pelo menos até esse montante, por CPF. E tem ótima liquidez (disponibilidade do dinheiro), ou seja, você pode sacar sempre que quiser. Só não faça disso um hábito.

A poupança é o passo inicial pra juntar algum dinheiro e fugir do empréstimo e o cheque especial (148% de juros a.a. na Caixa!!!). Não precisa nem ter 18 anos completos, basta ter CPF e o valor mínimo exigido pelo banco para abrir a conta. O ideal seria guardar todo mês um quarto do rendimento líquido nela. É, ninguém faz isso. Seis meses de salário na poupança é uma ótima margem de segurança para o caso de perda de emprego e eventual redução de direitos trabalhistas determinado por quem se elegeu prometendo que estes seriam intocáveis.

Tudo bem se não der pra guardar 1/4 do líquido todo mês, mas guarde 100 reais. Não dá? Então 50, 20, 10. Guarde alguma coisa todo mês. Não importa o quão pouco for possível. Não é porque sobrou 10 reais no fim o mês que você é obrigado a gastar só porque é pouco. Em um ano são 120 reais, mais uns jurinhos de 5% da poupança. Nada mal pra quem não guardava nada. Extrapole esses 10 reais para o quanto você conseguir guardar e as cifras vão aumentando. Se você tem algum objeto que acesse a internet para ler esse texto, você consegue guardar 10 reais em um mês. Dá pra agendar transferências automáticas no Internet Banking, inclusive. Quanto mais cedo você começar, mais tempo (juros) você terá a seu favor.

Cofrinho de Pitchula: a primeira poupança… Quem ainda lembrava da cara das antigas moedas de R$ 1?

Se estiver difícil começar, arranje um cofre e guarde toda moeda de 1 real que parar no seu bolso. Não precisa ser aqueles cofres de 400 reais da Imaginarium. Lembre-se que você está querendo guardar dinheiro. Pode ser uma garrafa PET com a tampa colada, e um corte na parte de cima com a largura exata de uma moeda de um real. O meu primeiro cofre, aos 8 anos de idade, era assim, feito com uma garrafa de Pitchula, que era mais fácil de encher. Se você acha que é crescido demais pra ter um cofre de Pitchula (ainda existe Pitchula?), pode fazer o mesmo procedimento com uma garrafa de Corote ou outra bebida de sua preferência.

O cofre está enchendo de moedas e você está se sentindo o Tio Patinhas. Que divertido! Mas saiba que o Tio Patinhas seria muito mais que quaquilionário se ele colocasse aquele dinheiro todo trabalhando para virar mais dinheiro, em vez de ficar parado em seu cofre-piscina, sendo ameaçado pelos companheiros Petralhas irmãos Metralha e, pior ainda, pela inflação. Dinheiro parado em casa não rende juros. Encheu o cofre? Leve na agência e deposite. O caixa vai adorar, e ainda vai perguntar se você assaltou o picolezeiro.

Chegou o glorioso dia em que você juntou 6 meses de salário na poupança. Você começou a tomar gosto pela coisa, quer mais que uma bela poupança e já não se contenta com juros abaixo da inflação. Parabéns, você foi tomado pelo espírito da ambição e ele pode ser útil. Só não deixe ele cegar os seus olhos e te fazer acreditar em pirâmides (mais sobre isso no fim do texto). E existem meios seguros de fazer o dinheiro trabalhar pra você com segurança, além da nossa querida poupança.

Tio Patinhas não está protegido contra a inflação

Letras de Crédito Imobiliário / do Agronegócio

As Letras de Crédito Imobiliário e as Letras de Crédito do Agronegócio são títulos de renda fixa vendidos por bancos para angariar recursos visando financiar o mercado imobiliário e do agronegócio, devolvendo seu dinheiro num prazo fixo preestabelecido de 3, 6, 12, 18 ou 24 meses acrescido de uns juros camaradas (~85-99% do CDI). Agora você está lidando com uma liquidez diferente da poupança. Você não pode sacar nada antes do prazo. Mas essa indisponibilidade do dinheiro vai te recompensar com juros. E juros a nosso favor é tudo que queremos.

Se pareceu complicado, basta você saber que é um investimento tão seguro quanto a poupança, pois é amparado pelo FGC (até R$ 250 mil, por CPF), e também conta com isenção de IR. Por enquanto. O negócio é tão bom que foi segundo investimento que mais captou recursos depois da poupança em 2014. E 2015 será o último ano bom pra aproveitar essa oportunidade de forma realmente simples e lucrativa.

Primeiro, porque tanto o mercado imobiliário quanto o do agronegócio estão meio que beirando uma certa saturação (não necessariamente uma bolha), consequentemente fragilizando o lastro (garantia real) do investimento (mas fique tranquilo, que o FGC está aí pra isso). Segundo, que exatamente por ser um bom negócio, o governo que nunca na história desse país desperdiçou tanto dinheiro com coisa besta, e em vez de cortar gastos resolve aumentar a arrecadação pra continuar gastando sem freio, já anunciou que vai meter a mão nas famigeradas letras de crédito, cobrando IR das aplicações feitas a partir de 2016. Só de saber que o governo está de olho querendo taxar um investimento dessa forma já é motivo suficiente pra saber que é coisa boa.

Para investir em LCIs e LCAs, você pode procurar no Internet Banking do seu banco ou a gerência da sua agência preferida e se informar mais a respeito. O problema é que os grandes bancos muitas vezes exigem um investimento inicial mínimo de 20 a 30 mil reais. Daí talvez seja interessante procurar algum banco menor que exija um inicial de, digamos, 5 mil reais. Como faz isso? Procure e pesquise direitinho aí que você encontra vários, como Órama, Rico.com.vc, Easynvest etc. Nunca viu 5 mil reais em toda a sua vida? Volte para o tópico Poupança. Finalmente conseguiu juntar 5 mil reais no dia 1º de Janeiro de 2016? Você anda com pouca sorte, mas parabéns pela vitória. Avance para os tópicos seguintes.

A farra das Letras de Crédito não vai durar para sempre

Fundos de Investimento

Subindo um degrau na escala de apetite ao risco existem os fundos de investimento. Segundo o “Como Investir“, um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um conjunto de investidores (cotistas) com o objetivo de obter ganhos financeiros a partir da aquisição de uma carteira formada por vários tipos de investimentos. Simplificando, é uma forma de aproveitar as oscilações do mercado para obter maiores ganhos de juros se expondo a riscos menores que a bolsa de valores (que eu nem vou tratar nesse texto).

Existem vários tipos de fundos de investimento com diversos tipos de fundamento que não valeria à pena explicar minunciosamente (nem tenho conhecimento suficiente para tanto). Vou falar brevemente apenas dos Fundos DI (Depósito Interbancário) que são os queridinhos no atual momento econômico Brasileiro do começo de 2015 (o que pode não ser mais se você estiver lendo isso num futuro distante).

Eles são atrelados à taxa SELIC que pra quem vai fazer um empréstimo pode ser uma vilã, mas pra quem está do lado daqui é uma maravilha. Lembrando que aqui existe incidência de IR regressiva, dependendo do tempo que você conseguir manter o investimento. Procure no Internet Banking do banco preferido algum Fundo DI sem taxa de carregamento, com taxa de administração inferior a 1,5% ao ano. Ficou na dúvida, compare os rendimentos nos gráficos deste link.

Câmbio

Existem duas formas de levar vantagem (honesta) com a variação cambial. Uma é com Fundos Cambiais (que são uma modalidade de fundo de investimento) e a outra, comprando fracionadamente Dólares e/ou Euros em espécie, se você tiver a intenção de viajar para algum destino que receba essas moedas. Cartão de crédito internacional? Leia sobre as alíquotas de IOF, chore e volte duas casas.

Se você já tem passagem marcada, é bom comprar a moeda fracionadamente até próximo da data da viagem

Uma vez experimentei um fundo cambial numa época em que o Dólar resolveu cair e perdi um trocado. Escaldado, não aproveitei a atual subida. Me lasquei de novo, porque o dólar subiu uns ~37% nos últimos 6 meses. A poupança? 3%. Por isso que pra investir em fundos cambiais é preciso ter sangue frio e estar pronto pra perder, mas eventualmente ganhar bastante, com disciplina e, claro, um pouco de sorte. Só que eu ainda não falei dos investimentos para claramente perder dinheiro. Um leve e um pesado, que provavelmente vai me dar problema nos comentários. Azar.

Título de Capitalização

Títulos de capitalização só dão lucro para o emissor. No caso, os bancos. Ou o Silvio Santos. Eles têm um rendimento baixíssimo, taxas de carregamento / administração altas e convencem as pessoas de que será possível obter retornos altos anunciando um lucro que você só obteria se fosse contemplado com o prêmio. Mas esse prêmio é como a loteria. E se você quiser ganhar na loteria, seria mais interessante, simples e menos burocrático jogar direto na loteria. Em essência, os títulos de capitalização não cobrem a inflação.

Pirâmides (a.k.a. Marketing Multi-Nível)

Em primeiro lugar, não caia em pirâmides. Pirâmides só dão retorno para o seu idealizador (enquanto ele não é preso). Todos os demais envolvidos se lascam em algum grau. Seja perdendo amizades, seja perdendo dinheiro, seja perdendo os dois. “Ah, mas se você não vender nada pelo menos você tem o produto”. Ótimo, é pra isso que existe uma coisa chamada shopping e e-commerce, onde eu vou e compro o que eu realmente estiver precisando.

“Ah, então vou criar meu próprio esquema de pirâmide”. Não faça isso, amigão. Primeiro que você não vai conseguir, e segundo que ainda que conseguisse, a não ser que você seja filiado a um certo grupo de gente que se diz socialista, mas detesta o socialismo para si e para os seus, o seu esquema será descoberto, você vai acabar preso e vai gastar o dinheiro com indenização aos lesos lesados. Ou seja, nem o idealizador tem retorno por muito tempo.

Pirâmides: até hoje a possibilidade de retorno é mínima

Se você parar pra pensar, pirâmides nunca deram muito certo. No caso Egípcio, em que a meta era a ressureição do faraó, não conheço nenhum que tenha conseguido o seu objetivo, nem o Niemeyer, que ganhou a licitação dos projetos, viveu o suficiente pra ver funcionar. E no caso Asteca (atual México), em que eram realizados sacrifícios humanos em busca da prosperidade, tudo continua da mesma forma na fronteira com os Estados Unidos.

Saldo Final

Isso foi o que eu aprendi até agora. Ainda não experimentei Tesouro Direto, por incompetência de um gerente que ainda não liberou meu acesso, mas ouço falar que é muito bom. Já estou flertando com a Bolsa, mas a única coisa que eu tenho a dizer sobre ela é estude muito e experimente as coisas que eu falei no início antes de chegar lá. Não acho que tenho muita vocação pra empreendedorismo, mas se você tem, ótimo.

Abaixo um vídeo de meia hora, em Inglês, com legendas em vários idiomas, menos Português, mas com muitas informações valiosas sobre como funciona a “Máquina Econômica”. Ele ensina de uma forma bem didática a origem do crédito, como ocorrem os ciclos econômicos e, principalmente, as crises (dica do Victor).

Ficou rico com essas dicas? Me convida pra andar no seu iate. Acha que falei besteira ou tem dicas melhores que as minhas? Que bom que não sou economista, pode aproveitar os comentários abaixo. Acha absurdo alguém dizer que pirâmide é golpe? Aperte Ctrl/Command + W e ganhe 1 milhão de Reais.

Categorias

Passado

  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
  • 2008
  • 2007
Seguir

Receba atualizações do blog na sua caixa de entrada.

Basta inserir seu email