Poder e Alternância

Após os resultados das últimas eleições podemos ver que no Amazonas, onde um mesmo grupo se mantém no poder há 31 anos, independentemente de quem vença no segundo turno, este chegará a 35 anos. Em São Paulo, um mesmo partido chegou ao poder há 19 anos e recebeu a procuração popular para governar por 23 anos. Enquanto isso, parece que o Maranhão finalmente vai se livrar de um domínio familiar de 48 (!) anos.

A nossa ~jovem democracia~ é um ganho valioso e inquestionável, que deve ser defendido a todo custo. Ao mesmo tempo que também não pode ser corroído pela permanência de um mesmo partido ou grupo no poder por décadas a fio.

ARVE Error: id and provider shortcodes attributes are mandatory for old shortcodes. It is recommended to switch to new shortcodes that need only url

Quando o mesmo coletivo se estabelece no poder por muito tempo, suas decisões começam a se afastar da busca pelo desenvolvimento da esfera em que governam e passam a visar apenas a sua própria manutenção e permanência indefinida no poder.

Poder este travestido por um quê de paternalismo apoiado na frágil ameaça de que a mera e saudável alternância de poder implodiria todo o Estado. Quando na verdade desestabilizaria apenas e nem tanto assim, o partido. E é só com essa parte que estão preocupados. Oh horror! Oh horror!

Gilberto Mestrinho (esquerda) e Plínio Coelho (direita), caminham pela Rua Barroso, em frente à Biblioteca Pública, para depois seguir em direção ao Palácio Rio Negro onde seria feita a transmissão do cargo de governador do Amazonas, em 1959. Foto: Acervo Coelho Raposo.

Não se engane: defender a manutenção de tudo como está, sem espaço pra mudanças, não é ser progressista – é ser reacionário e conservador. Nenhum partido é detentor perene da capacidade de liderar o progresso.

E os partidos hoje parecem ser ainda mais megalomaníacos que o Partido de 1984, pois não lhes é suficiente apenas o poder pelo poder. Fazem questão da riqueza, do luxo, da vida longa e da felicidade só para si, também.

Aplicativo Políticos

Com uma ideia surgida da observação de experiências no exterior, e tendo em vista a importância do acesso às informações públicas a toda a população, o grupo Global Shapers Manaus tem o orgulho de apresentar o aplicativo Políticos.

Tela de abertura

Esse app gratuito reúne as principais formas de contato com os representantes dos poderes legislativo e executivo. Presidente, governadores, senadores, deputados federais e estaduais (estes primeiramente do Amazonas, porém serão acrescentados os de outros estados ao longo do ano) contam com seus nomes, fotos, emails e telefones do gabinete, além das contas de Twitter e Facebook.

O objetivo é facilitar o acesso da população aos seus representantes fornecendo as formas de contato, para que se possa cobrar diretamente de quem tem o dever de trabalhar em benefício do povo. Além disso, é possível também atribuir uma nota positiva ou negativa à pessoa, gerando assim uma perspectiva interessante da percepção dos usuários sobre o trabalho de cada político.

Busca específica por partidos ou estados

O aplicativo será atualizado constantemente para correção de bugs e dados, além da inclusão de novas informações. Baixe agora Políticos, o app democrático, para o seu dispositivo com iOS ou Android. Resenhas, sugestões e pedidos de uma versão para Windows Phone são bem vindas.

 

Repensando as Bandas de Rua

Não sou contra as bandas de rua. Sou contra, apenas, a parte rua das bandas de rua. Me aflige o fato de elas obstruírem vias públicas importantes, como a Av. “Boulevard” Álvaro Maia, uma das principais opções de tráfego leste-oeste da cidade.

Avenida esta, que conta com 2 hospitais, ainda que ambos tenham acesso pela Av. Ayrão e o HUGV esteja em reforma. Imagine uma ambulância vindo pela Kako Caminha e precisando descer pela Av. Constantino Nery até próximo da Av. Leonardo Malcher para conseguir fazer um retorno, pegar a Av. Japurá, e Rua Silva Ramos, para enfim alcançar a Ayrão. Ah, é só no fim de semana, ou é só na época do carnaval, diriam alguns, porém não diriam o mesmo se a pessoa dentro da ambulância fosse a própria mãe.

Banda Obstrutora de Rua

Ah, mas são 27 anos de tradição, são 45~50mil pessoas. Ainda que tivessem 500mil pessoas, ainda teríamos outros 3/4 da população manauara eventualmente tendo seu direito de ir e vir prejudicado (mais de 30 linhas de ônibus trafegam diariamente pela via segundo o Ônibus Manaus) e bem, enfiar a mão numa luva de palha trançada cheia de tucandeiras também é um tipo de tradição.

Vamos inverter os valores já invertidos aqui rapidinho: proponho a criação das bandas de quadras, salões, quintais e terrenos baldios, de preferência distantes da minha casa. Com essa mão de obra toda, muitos terrenos baldios seriam capinados, olha que legal.

Podem fazer suas festas, micaretas pra Jesus ou pro Diabo. Só não atrapalhem o caminho de quem não estiver interessado em participar.

Categorias

Passado

  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
  • 2008
  • 2007
Seguir

Receba atualizações do blog na sua caixa de entrada.

Basta inserir seu email